os seus recursos. os seus limites os seus recursos. os seus limites os seus recursos. os seus limites os seus recursos. os seus limites os seus recursos. os seus limites os seus recursos. os seus limites

AGENDA 21 LOCAL, UM DESAFIO DE TODOS – RESUMO



1. ENQUADRAMENTO


A Agenda 21 Local mais não é do que um Sistema de Sustentabilidade Local (SSL) constituindo uma referência integradora das diversas políticas sectoriais. Representa a maior parceria entre governos, organizações e sociedade no planeamento conjunto a curto, médio e longo prazo, com acções concretas, metas, recursos e responsabilidades definidas.

Quinze anos depois do Rio, no inicio de Século com grandes desafios, a edição de um Guia para a Implementação da Agenda 21 Local para disponibilizar uma metodologia que possa ser globalmente seguida na concepção e implementação da Agenda 21 Local constitui, em Portugal, um passo muito significativo na altura em que a Estratégia Europeia de Desenvolvimento Sustentável foi revista e a Estratégia Nacional de Desenvolvimento Sustentável foi aprovada. A Figura 1 representa o Ciclo da Sustentabilidade.

FIGURA 1: CICLO DA SUSTENTABILIDADE


2. OBJECTIVOS DO GUIA


O Guia em fase final de preparação pretende, tornar-se um meio de apoio a todas as entidades que têm em curso iniciativas desta natureza no sentido de monitorizarem os seus próprios processos e se integrarem numa plataforma de informação e comunicação, que permita a troca de experiências, no sentido de uma melhoria contínua. É, portanto, um importante referencial normativo para a implementação de Sistemas de Sustentabilidade Local (SSL), que pretende auxiliar todos os que queiram configurar e Implementar a Agenda 21 Local.



3. REQUISITOS DO SISTEMA DE SUSTENTABILIDADE LOCAL


De acordo com as directrizes do Guia, a implementação do Sistema de Sustentabilidade Local tem em conta dois ciclos com dimensões e escalas distintas, como se pode verificar na Figura 2.

FIGURA 2: REQUISITOS DO SISTEMA DE SUSTENTABILIDADE LOCAL

O ciclo exterior (seta a tracejado) ocorre no início do processo e sempre que se verifiquem alterações nos instrumentos de ordenamento com implicações no SSL. Este ciclo contempla o Diagnóstico, onde são definidas as vocações do território e a Visão Estratégica, ou seja, o caminho a seguir, a direcção em que deve assentar o Plano de Acção.

No sentido de operacionalizar o Desenvolvimento Sustentável, os promotores do SSL devem configurar a sua Política de Sustentabilidade Local, definida de acordo com a Visão Estratégica, proporcionando um enquadramento e articulação com os instrumentos de Gestão do Território, como por exemplo do Plano Director Municipal (PDM) e do Plano Regional de Ordenamento do Território (PROT).

Atendendo ao conteúdo documental do PDM e da Agenda 21 Local, ou no caso do PROT e a Agenda 21 Regional, torna-se clara a similaridade e complementaridade de objectivos, como se pode constatar através da Figura 3.

FIGURA 3: INTEGRAÇÃO DA AGENDA 21 E AS FIGURAS DE ORDENAMENTO DO TERRITÓRIO

A Política de Sustentabilidade Local deve ser comunicada a todas as partes interessadas e disponibilizada ao público, através da Carta de Compromisso. Após a definição da Política é efectuado o Planeamento do Sistema de Sustentabilidade Local, que contempla a nomeação do Grupo de Trabalho (GT21) que terá atribuições e responsabilidades para planear o SSL, e assegurar que este é elaborado, implementado, revisto e mantido em conformidade. O GT21 deve também ser responsável pela elaboração dos relatórios de desempenho de SSL, bem como os relatórios das Auditorias Internas.

O passo que se segue centra-se na Elaboração do Plano de Acção de acordo com a Visão Estratégica e Política de Sustentabilidade. Este documento é constituído por um conjunto de acções, distintas em termos de tipologia e prioridade, as quais devem ser bastante claras ao nível dos seus objectivos, metas e indicadores. Devem ser identificados os responsáveis, colectivos ou individuais, públicos ou privados, pela sua implementação, bem como os prazos de realização e indicadores de acção e desempenho do SSL.

O Plano de Acção deve ser disponibilizado para Consulta Pública promovendo a participação de todos os interessados, através de sessões de discussão pública, devendo ser elaborado um relatório no final do processo.

Com base nos contributos obtidos através da consulta pública, o GT21 efectua a revisão do Plano de Acção, o qual deve ser aprovado pelo órgão competente aceite para o efeito, adquirindo carácter vinculativo, sendo posteriormente disponibilizado. Figura 4 sintetiza o ciclo de revisão e aprovação do Plano de Acção.

Adaptado de (Ihobe, 2004)

FIGURA 4:CICLO DE REVISÃO E APROVAÇÃO DO PLANO DE ACÇÃO

A implementação do Plano de Acção é o passo mais importante do SSL. A eficácia desta fase é tanto maior quanto mais adequados forem os recursos humanos afectos a esta tarefa. A identificação e compensação de deficiências a este nível é da maior importância. Assim, os promotores responsáveis pela execução das acções devem garantir a Competência, Formação e Sensibilização dos recursos humanos afectos.

É essencial também nesta fase garantir a existência de um processo de Comunicação interno e externo eficaz, simples e amigável entre todos os intervenientes no SSL e que toda a comunicação é devidamente tratada.

Após a implementação do Plano, os promotores devem proceder à Verificação do SSL através da Monitorização que permite uma gestão mais eficaz da sustentabilidade local, proporcionada pela análise crítica dos resultados alcançados e sobre o seu impacto na sustentabilidade. Os resultados da Monitorização devem ser registados no Relatório de Monitorização. O modelo e o formato devem ser acessíveis e simples, de forma a facilitar o processo de informação e comunicação.

No sentido promover a melhoria contínua, devem ser identificadas as não conformidades e implementar acções correctivas e preventivas de forma a evitar a sua recorrência.

Para efectuar a avaliação da conformidade do SSL, é necessário proceder ao Controlo dos Registos, relativos aos requisitos identificados, como se pode observar no Quadro 1.

QUADRO 1: REQUISITOS E REGISTOS EXIGIDOS

Para assegurar avaliar a conformidade do SSL de acordo com os requisitos estabelecidos serão desenvolvidas Auditorias Internas. Trata-se de um processo sistemático e documentado para avaliar a conformidade do SSL, como se apresenta sucintamente na Figura 5.

FIGURA 5: AUDITORIAS INTERNAS

Após a implementação do Plano, os promotores devem proceder à Revisão com base no desempenho e na adequação do SSL de forma a assegurar a melhoria contínua. É através dos resultados da monitorização que se reiniciam os ciclos de gestão da sustentabilidade, ou seja, antigos e novos actores são mobilizados para discutir sobre as acções, tornando o processo mais democrático e integrado. A Avaliação é um processo contínuo, que acompanha todo o ciclo de gestão da sustentabilidade. A Figura 6 esquematiza o processo de revisão do Plano de Acção do SSL.

FIGURA 6: PROCESSO DE REVISÃO DO SSL

Trata-se, portanto, de um processo dinâmico, interactivo e contínuo que pretende fazer de cada terra um sítio onde seja apetecível viver. Tal objectivo só é satisfatoriamente alcançável se os SSL forem implementados com elevados padrões de qualidade.

O essencial é de cada um fazer o que deve. Na TTerra, como provámos ao ser escolhidos pela APA para realizar o Guia, sabemos ajudá-lo.


~ Clique aqui para aceder à versão integral do Guia da Agenda 21 ~