os seus recursos. os seus limites os seus recursos. os seus limites os seus recursos. os seus limites os seus recursos. os seus limites os seus recursos. os seus limites os seus recursos. os seus limites

Semana Europeia da Mobilidade – by bike

OpiniãoCarlos Cupeto

————————
by bike
por Carlos Cupeto in otrosmundos.cc

A bicicleta deixou de ser o “transporte dos pobres”, “pouco elegante”, “socialmente impróprio” ou uma “atividade infantil”, e hoje assume-se como uma saudável, económica e verdadeira alternativa.

Falar sobre bicicletas é falar de qualidade de vida.

As vantagens na sua utilização são tão evidentes que não é necessário justificá-las. Em cidades como as nossas há todas as condições para a bicicleta. É natural que alguns refiram os declives das cidades, etc. como obstáculo. Nestes casos, tudo se resolve com algumas infraestruturas, isto é, esta opção é sustentável se forem eliminados uma série de obstáculos, alguns até perigosos. É necessário que as câmaras municipais criem áreas pedonais, ciclovias etc. Sempre que necessária uma maior rapidez ou a utilização em vias declivosas há o recurso a bicicletas elétricas que podem alcançar velocidades da ordem dos 25 Km/h.

As bicicletas são baratas, limpas, rápidas para as condições urbanas, exigem infraestruturas mais económicas e contribuem para a saúde do utilizador.

Na Europa do norte a bicicleta assumiu uma importância significativa no transporte urbano. Na Alemanha, Holanda e Dinamarca, devido a grandes campanhas e a propósitos fortes, as deslocações em bicicleta, nas grandes cidades, representam entre 20% a 30% do total. Paris e Londres são cidades que apostaram fortemente neste tipo de deslocação e o sucesso é uma realidade.

Nestes países há muito que as bicicletas ganharam uma grande aceitação cultural e deixaram de ser vistas como o modo de transporte dos pobres. Em muitos locais, como no Peru, a bicicleta integra a política de combate à pobreza, uma vez que elimina a dependência do transporte público.

Como facilmente se compreende é ao poder local que compete tomar as medidas, desenvolver campanhas e criar as infraestruturas que possibilitem a utilização da bicicleta. Muitos dos problemas das cidades resultam dos privilégios indevidos dos automóveis. Em muitas zonas o automóvel é a causa do círculo vicioso do crescimento urbano disperso que, por sua vez, conduz ao isolamento social e à significativa perda do sentido de comunidade. Torna-se evidente que as interações íntimas e frequentes que caraterizam a vida urbana constituem um convite natural à utilização da bicicleta.

As autoridades locais devem dar o exemplo, usando as bicicletas na sua atividade: inspetores municipais, trabalhadores sanitários, leitores de contadores, carteiros, etc., aumentam a eficácia das suas funções pela utilização da bicicleta. Em muitas cidades, também a eficácia da polícia ciclista não deixa margem para dúvidas.

Há estudos que mostram que uma cidade sem automóveis pode ser mais eficiente económica e socialmente solidária do que outra baseada neste tipo de transporte.

Atreva-se a pedalar.

————————