os seus recursos. os seus limites os seus recursos. os seus limites os seus recursos. os seus limites os seus recursos. os seus limites os seus recursos. os seus limites os seus recursos. os seus limites

investir no ambiente

Informações Úteisadmin

 

O passado, o presente e o futuro de mãos dadas no estuário do rio Tejo; feito com inteligência tudo é possível.

Como se sabe, também nesta matéria do ambiente, Portugal tem que dar um passo em frente, vários passos. O ambiente (leia-se biodiversidade e tudo à volta) constitui, sem dúvida, para Portugal uma mais valia sem paralelo. O ambiente não pode ser visto como um mero meio castrador e proibitivo mas antes como um fator de competitividade. Assim o saibamos entender, a começar pela tutela. É uma oportunidade para os investidores e uma mais-valia para quem vive neste magnífico território. Desenvolvimento e qualidade ambiental são, não só compatíveis, como necessários. São a mesma face da moeda apesar de muitos ainda não o terem compreendido. Não é possível continuar a ignorar esta realidade, o país tem de assumir rapidamente posturas e compromissos ambientalmente mais ambiciosos porque estes são mais competitivos. Isto é, o ambiente como fator de competitividade e não como limitante do desenvolvimento económico e social.

Os diferentes setores da atividade económica necessitam de uma Administração, nos seus diferentes níveis, que comece por dar o exemplo, que regule com sabedoria, e que se assuma como um parceiro na prossecução da competitividade ecoeficiente das empresas e consequentemente do desenvolvimento do país.

A verdadeira política de ambiente faz-se fora do ministério da tutela. Faz-se na agricultura, indústria, transportes, turismo, etc., em todos os setores económicos onde, para o bem e para o mal, tudo o que se passa tem verdadeiras e efetivas consequências ambientais. As ações que, potencialmente, maiores consequências ambientais terão, passam-se, naturalmente, a todas as escalas e níveis em todos os setores da atividade económica. Enquanto isso, menos Estado e melhor Estado é o que as empresas e os cidadãos esperam. Só um tecido empresarial forte pode responder ao desígnio do ambiente como um fator nacional de competitividade.

Todos temos um papel nesta revolução. Ninguém fica de fora e as autarquias, como governos locais, têm uma particular responsabilidade. Fazer bem e sustentadamente não custa mais e é o mínimo que o cidadão exige: a constituição de riqueza coletiva não pode ser à custa da hipoteca do futuro.

Façamos deste um tempo onde o ambiente possa contribuir para o desenvolvimento económico do país, designadamente através de políticas mais sustentáveis e ecoeficientes alcançando uma maior eficiência na utilização das matérias-primas (recursos) e da energia. Como na justiça, saúde ou educação, também no ambiente se pode fazer muito mais e melhor, o desafio é grande.

Na TTerra, desde sempre, o ambiente sempre foi uma mais valia e um efectivo fator de competitividade dos setores produtivos. É isto que sabemos fazer, fazemos e fizemos ao longo dos anos nos serviços inteligentes que prestamos.