os seus recursos. os seus limites os seus recursos. os seus limites os seus recursos. os seus limites os seus recursos. os seus limites os seus recursos. os seus limites os seus recursos. os seus limites

turismo forever

Informações Úteisadmin

Turismo, um rio de oportunidades.

Nenhum sector, como o do turismo, tem sido tão recorrentemente referenciado ao longo dos anos como a grande oportunidade para o país. Nesta matéria podemos ler muitas das notícias, de há dez ou mais anos, e pensar que foram escritas hoje, se não olharmos a data impressa no jornal. A 5 julho de 2005, o Público refere, a propósito do congresso da Confederação do Turismo Português (CTP), a oportunidade do turismo sénior e de negócios. Dois anos depois, em junho de 2007, o mesmo jornal noticia que o Alentejo prepara o acolhimento a milhares de idosos europeus. Apenas dois exemplos. O que se passou entretanto? Muito pouco, ou nada.

As notícias de hoje são as mesmas. Qual o significado deste fato? O que nos pode levar a crer que agora é diferente? Que o atual Plano Estratégico Nacional para o Turismo (PENT), este sim, é para levar a sério?

Desde logo, não parece muito estratégico que no PENT sejam destacados 10 produtos estratégicos, desde o sol e mar, vinhos, golfe, estadas de curta duração, saúde, religião, etc. Está lá tudo. Como já sabemos, tudo é nada. Definam de vez um caminho e façam-no.

Um passo significativo nesse caminho é os responsáveis estarem conscientes do efeito bloqueador do labirinto dos pareceres, autorizações e licenças. Parece que já têm essa consciência e, assim, o governo vai fazer lobby nos corredores dos seus próprios ministérios no sentido de “agilizar processos e resolver problemas”, palavras do ministro Álvaro Santos Pereira. Para tal, foi criada a Comissão  de Orientação Estratégica para o Turismo (CIOET) na dependência do Primeiro-ministro. Daqui, se tudo correr normalmente, surgirão os tais grupos de trabalho e entretanto, as oportunidades passam; os investidores cansam-se e os ditos turistas rumam a outros destinos que não tenham este tipo de comissões.

Se há setor onde tudo está estudado e planificado  é o do turismo. Então o que falta? Falta fazer! Nesta matéria, do “fazer”, não se pede muito, se não sabem não atrapalhem quem quer, e sabe, fazer. Promotores e investidores anseiam por poder fazer e o país necessita-o.

Tudo isto parece vulgar, mas não é, é essencial.

“A nossa terra é a melhor.”

Embora possa parecer demagogo esta é a convicção que distingue  uma oportunidade concretizada e uma outra que fica na gaveta.

De Trás – os – Montes ao Algarveo Turismoé exaustivamente referido como uma grande oportunidade.

Pode ser verdade mas não o é só por si. É preciso uma acção integrada a diferentes escalas.

Na TTerra sabemos como o ajudar a fazer a sua parte e a identificar e monitorizar toda a acção. Só assim poderá exigir que os restantes façam o que lhes compete.

Contate-nos.