os seus recursos. os seus limites os seus recursos. os seus limites os seus recursos. os seus limites os seus recursos. os seus limites os seus recursos. os seus limites os seus recursos. os seus limites

Turismo, Eu Vivo Aqui.

Ecoturismoadmin

O turismo é um dos maiores negócios do mundo. A relação das actividades económicas com o ambiente tem-se processado a um ritmo lento e, por vezes muito contestado, do qual o turismo não foge à regra. Essa contestação torna-se evidente aquando da aplicação fundamentalista do conceito de biodiversidade, onde somente se entende a perspectiva ecológica, esquecendo-se de que para essa biodiversidade resultar o Homem tem um papel importante e integrante.

Em Portugal, um exemplo desse extremismo ecológico é o modelo de gestão implementado nas áreas protegidas. A gestão destes espaços baseia-se somente nos princípios da protecção e conservação da biodiversidade sendo que a valorização dos recursos e a integração das populações que já coabitavam com essa biodiversidade são esquecidos – “olhe, desculpe, eu vivia aqui”.

Apesar desta relação, muitas vezes pouca positiva, nas últimas décadas a natureza/ambiente apresenta-se como um produto importante no sector do turismo. Essa mais-valia é suportada pela oferta que o território apresenta, onde cerca de 80% da biodiversidade da Europa se encontra na Península Ibérica e 25% do território português está classificado em áreas protegidas.

Como tal, à semelhança de todas as actividades económicas, a valia da biodiversidade, tem-se vindo a reflectir no produto turístico como uma das principais ofertas. A Organização Mundial do Turismo (OMT) apresenta o turismo sustentável como “um modelo de desenvolvimento económico concebido para melhorar a qualidade de vida da comunidade receptora, para proporcionar aos visitantes uma experiência de qualidade e, simultaneamente, manter a qualidade do ambiente, algo que tanto a comunidade anfitriã como os visitantes dependem” (Reyes Ávila et al, 2002).

A própria Estratégia Nacional para a Conservação da Natureza e Biodiversidade (ENCNB) aborda o turismo dentro desta perspectiva actual, e inevitável, enquadrando-o como uma opção estratégica.

É neste contexto que se enquadra o Ecoturismo, apresentando-se como uma filosofia sustentada sobre quatros aspectos (figura 1):

  • a protecção dos recursos naturais,
  • a valorização económica;
  • a participação da população local;
  • o turismo como uma ferramenta de conservação.

Figura 01
Com a prática do turismo sustentável é possível afirmar: eu vivo (bem) aqui. Mas, como em tudo, também no turismo, Portugal é um país de equívocos. Tardamos em perceber a valia turística da nossa biodiversidade e distorcemos as sinergias entre as actividades económicas e a sustentabilidade. O turismo, é quiçá, o sector onde este erro estratégico se torna mais evidente, já que facilmente se demonstra que a actividade turística sustentável é fundamental para preservar processos ecológicos essenciais, o património humano e a biodiversidade. Também no turismo “riqueza” e biodiversidade são compatíveis, ou antes, só podemos garantir a biodiversidade se esta nos garantir riqueza. Que sector melhor para o fazer que o turismo?

Os bons exemplos, às vezes, estão bem perto. Basta chegar a Grândola, à herdade da Costa Terra. Actualmente são 1350 ha num contexto paisagístico ímpar mas económica e socialmente degradado, que ninguém usufrui porque poucos são os idosos que lá resistem. O projecto turístico em curso prevê, infra-estruturas de excelência, em cerca de 124 ha, e um impar conjunto de equipamentos que podemos designar de grande valia ecológica e ambiental, designadamente:
Centro de Documentação da Natureza;

  • Reserva Ornitológica;
  • Parque de Flora Mediterrânica;
  • Borboletário;
  • Quinta Biológica (de apoio directo à restauração no empreendimento);
  • Vinha Biológica;
  • Adega e Lagar com métodos tradicionais de produção de vinho e azeite em associação com a Herdade e Adega do Mouchão (um dos mais reputados internacionalmente produtores de vinho do Alentejo).

Todas estas intervenções têm em conta a preservação e recuperação do coberto vegetal que, na maioria dos casos, passa pela implantação de habitats autóctones. A erradicação de espécies identificadas como infestantes constitui outra das acções importantes para o aumento da biodiversidade. Por fim, a espécie Homem também foi contemplada, não só no papel de turistas, mas numa perspectiva de economia local, através da criação de 1300 postos de trabalho directos e 3000 indirectos. A conservação da natureza e constituição de riqueza só podem ser a mesma face da moeda; o turismo sustentável é uma excelente via para lá chegar.