os seus recursos. os seus limites os seus recursos. os seus limites os seus recursos. os seus limites os seus recursos. os seus limites os seus recursos. os seus limites os seus recursos. os seus limites

Alterações climáticas, risco de desastres, e governo local

RiscosTTerra

À semelhança da maioria dos fenómenos físicos do nosso Planeta, também o clima está sujeito a alterações. Contudo estas alterações estão a processar-se a um ritmo mais rápido que o observado antes da era pré-industrial.

Os principais impactes são o aquecimento global acompanhado de um aumento dos níveis de água do mar, o aumento da frequência e severidade dos eventos climáticos extremos (seca, precipitações intensas, ondas de calor), o aumento da pressão sobre os recursos hídricos (em consequência do crescimento das necessidades de água) e a perda de biodiversidade. E estes impactes terão consequências no Homem, nas comunidades, em especial nos países mais pobres com menores capacidades no campo da prevenção e preparação antecipatória.

A adaptação das comunidades às alterações climáticas é essencial para a mitigar ou diminuir a magnitude dos impactes. Neste contexto, é importante conhecer os riscos naturais de um determinado território e planear a adaptação às alterações climáticas.

Recentemente, Outubro de 2012, foi publicado o relatório Word Risk Report 2012, elaborado pela Alliance Development Works com o apoio da United Nations University, Institute for Environment and Human Security, e a The Nature Conservancy. De acordo com este documento, foi atribuído a Portugal um índice de risco de 3.82% posicionando-nos na 131ª posição num total de 173 países, sendo que o Qatar é o país com o menor índice de risco, 0.10%, 173ª posição, e o arquipélago de Vanuatu o país com maior índice de risco, 36.31%, 1ª posição. Vários fatores foram considerados nesta classificação:

i. a vulnerabilidade da sociedade, resultado da soma dos seguintes fatores:

  • a) a susceptibilidade, considerada como dependente das infra-estruturas públicas, nutrição, situação económica;
  • b) a falta de capacidade de resposta dependente da governação, cuidados de saúde e segurança dos materiais;
  • c) a falta de capacidade de adaptação relacionada com os eventos naturais futuros e às alterações climáticas;

ii. a exposição da população aos perigos naturais tais como sismos, tempestades, cheias, secas, subida do nível de água do mar.

Olhando para a avaliação de cada um dos fatores considerados no índice de risco constante do Word Risk Report 2012 para Portugal, verifica-se que nas áreas da susceptibilidade e da capacidade de adaptação existe um significativo potencial de crescimento no sentido de reduzir o risco.

Para o poder local, é no campo da vulnerabilidade que é mais fácil ao atuar através de implementação de acções e medidas nas três frentes: susceptibilidade, capacidade de resposta e capacidade de adaptação.

A integração da redução do risco de desastres no planeamento do território e nas políticas de desenvolvimento estratégico é uma das diversas medidas ao alcance das autarquias.

 

A TTerra está consciente da crescente necessidade dos Municípios integrarem nas suas ferramentas de governação a redução dos riscos de desastres e a adaptação às alterações climáticas. A nossa equipa técnica dispõe de todas as valências técnicas necessárias para prestar apoio nestas matérias ou para quaisquer esclarecimentos necessários.

Consulte-nos (sem qualquer compromisso)!

 

Para mais informações:

TTerra – Auditoria, Projecto e Técnicas Ambientais, Lda.

Tel.: 214 53 73 49 | Fax: 266 750 439| www.tterra.pt | mail@tterra.pt | tp@tterra.pt

 

Fontes:

Word Economic Fórum. Global Risks 2012. 7ª edição. 2012. Disponível em http://www3.weforum.org/docs/WEF_GlobalRisks_Report_2012.pdf

AllianceDevelopment Works. Word Risk Report 2012. 2012. Disponível em www.WorldRiskReport.org