os seus recursos. os seus limites os seus recursos. os seus limites os seus recursos. os seus limites os seus recursos. os seus limites os seus recursos. os seus limites os seus recursos. os seus limites

Áreas Protegidas

Avaliação Impacte Ambiental, Informações ÚteisTTerra

Áreas Protegidas
(Sítio PTCON0031: Monfurado | © TTerra)
 
Uma “área protegida” pode ser qualquer área terrestre ou marinha, cujo objectivo primordial é a conservação da natureza. No conjunto dos países membros e cooperantes com a Agência Europeia do Ambiente, existem actualmente 105.000 áreas protegidas oficialmente reconhecidas por toda a Europa.

Pela sua importância na preservação da biodiversidade, o número de áreas protegidas tem vindo a aumentar. Entre parques naturais, reservas naturais, reservas da biosfera e áreas integrantes da Rede Natura 2000, as áreas protegidas correspondem já a cerca de 1/5 do território europeu. Ainda assim, um número significativo de espécies continua a enfrentar um futuro incerto, motivado pela progressiva fragmentação de habitats com origem na construção de estradas, linhas-férreas, áreas urbanas, entre outras. Só entre 1990 e 2006 registou-se um acréscimo de 8% no total das superfícies artificializadas, o que consequentemente se traduziu numa maior pressão sobre os ecossistemas.

Numa tentativa de reverter a pressão antrópica sobre a vida selvagem e respectivos habitats, a União Europeia (UE) tem procurado actuar de forma concertada junto dos seus Estados-Membros, alertando para as vantagens e benefícios, inclusivé económicos, de proteger áreas de maior sensibilidade ecológica. De facto, só as áreas integrantes da Rede Natura 2000 recebem entre 1,2 e 2,2 biliões de visitantes todos os anos, originando um rendimento adicional de 50 a 85 biliões de euros. Segundo o recente estudo da Comissão Europeia “Costs and Socio-Economic Benefits associated with the Natura 2000 Network”, entre serviços provisionais (p.e. produção de matérias-primas), reguladores (p.e. regulação da qualidade do ar e alterações climáticas) e socio-culturais (p.e. actividades educativas e turístico-recreativas), sem esquecer o desenvolvimento rural através da criação de emprego directo/indirecto e do suporte das economias locais, os benefícios gerados por estas áreas podem ser 3 a 7 vezes superiores ao custo da sua constituição. O mesmo tipo de vantagens pode ser aplicado às áreas marítimas dos vários Estados-Membros, destacando-se, desde logo, o potencial aumento nos rendimentos originados pela actividade piscatória. Uma das metas da EU para os próximos anos consiste, por isso, na classificação de 10% das áreas marítimas europeias como “Áreas Protegidas Marinhas”, o que permitirá incrementar a importância e valor dos habitats marinhos no contexto geral das áreas protegidas.

Embora cada uma destas áreas imponha diferentes limites para a actividade humana, a maior parte permite o desenvolvimento de planos e/ou projectos não directamente relacionados com a sua gestão, desde que os mesmos não comprometam a sua sustentabilidade. Para saber quais e para usufruir de uma vasta gama de serviços relacionados, consulte-nos!