os seus recursos. os seus limites os seus recursos. os seus limites os seus recursos. os seus limites os seus recursos. os seus limites os seus recursos. os seus limites os seus recursos. os seus limites

Eficiência Energética

EnergiaTTerra

Águas subterrâneas em Angola

 

A eficiência energética consiste em usar menos energia para fornecer a mesma quantidade de valor energético. Do ponto de vista de um consumidor, passa pela redução dos custos de energia e/ou pela redução do consumo de energia, frequentemente com recurso a processos mais eficientes. Trata-se de uma utilização racional da energia. Os equipamentos nas habitações ou no escritório, indústrias, veículos automóveis, iluminação municipal, entre outros, consomem de alguma forma, a partirde uma fonte de energia. Atualmente, a utilização em excesso de energia de fontes de combustíveis fósseis, como o petróleo (37% do consumo), o carvão (27%), o gás natural e o urânio, contribuem grandemente para a libertação de dióxido de carbono para a atmosfera com consequências ambientais consideráveis (chuvas ácidas, aquecimento global e redução da camada de ozono). Acresce que há um, cada vez maior, valor económico associado ao consumo energético.

Sendo este domínio atualmente um dos principais eixos políticos, quer a nível europeu, quer a nível nacional, têm sido notórias a premência da utilização racional da energia, a poupança energética e a progressiva consciencialização ambiental. Ainda recentemente (11-10-2012) o Parlamento Europeu votou favoravelmente uma proposta para uma diretiva que obriga os países a renovar os edifícios públicos, com vista a uma maior eficiência energética. Quando for publicada, os 27 países membros da União Europeia terão um ano e meio para transpor esta diretiva para as leis nacionais. Estarão obrigados a renovar anualmente 3% da superfície total dos edifícios, com aquecimento ou sistema de refrigeração, detidos pelo Estado ou ocupados pela Administração Central. Serão também impostas auditorias energéticas de 4 em 4 anos às grandes empresas, bem como o objetivo de plano de poupança às companhias energéticas superior a 1,5% das vendas anuais de energia a clientes finais, tendo como meta 2020.

Por vezes, a adoção de soluções ou medidas eficientemente energéticas em edifícios pode passar por colocar um isolamento térmico de modo a consumir-se menos energia para aquecimento e arrefecimento mantendo a mesma temperatura. Também a instalação de lâmpadas económicas ou lâmpadas LED, em vez de lâmpadas incandescentes, pode permitir atingir o mesmo nível de iluminação.A instalação de painéis solares térmicos na cobertura dos edifícios pode representar uma redução de 60% no consumo de energia para aquecimento de águas sanitárias. A utilização das energias renováveis como fonte de energia para consumo das necessidades energéticas, quer de climatização como de aquecimento de águas quentes sanitárias e de piscinas é outra forma eficiente de reduzir o consumo de energia de combustíveis fósseis. Os exemplos são vários. E isto reflecte uma grande variedade de soluções no caminho da eficiência energética.

Abre-se, assim, espaço para uma maior dinâmica e rápido crescimento de serviços energéticos em Portugal. Neste contexto importa referir a auditoria energética (industrial). Consiste no estudo das condições de utilização de energia numa dada instalação e na identificação de oportunidades de melhoria do desempenho energético da mesma, de modo a reduzir o peso da componente energética nos custos globais. Normalmente é realizada por um especialista em eficiência energética (industrial) e o resultado é um relatório de auditoria onde constam as melhorias de utilização de energia. Metodologicamente, previamente à visita ao local, numa primeira etapa, procede-se a uma recolha de dados dos principais processos da empresa, consumos e custos, num dado período de tempo. Na segunda etapa, já nas instalações, procede-se à observação do estado dos principais equipamentos consumidores e distribuidores de energia e medições de parâmetros físicos. A última etapa, no escritório, consiste na análise dos dados recolhidos, e na inventariação e apresentação de MRCE, com descrição das medidas, cálculos de poupança e estimativas e investimento necessárias.

A experiência dita que, quase em todos os casos, se revela economicamente viável a longo prazo, contribuindo para a redução das emissões e promovendo a segurança energética. No entanto, a falta de incentivos e diversas barreiras económicas e não económicas, continuam a travar um desenvolvimento mais abrangente. A demonstração do bom desempenho económico é essencial para desbloquear o potencial da eficiência energética e alavancar os financiamentos privados.

Deste modo, apoia-se, as empresas a desenvolverem projetos e estratégias que contemplem a redução do consumo de energia, identificando melhorias e encontrando oportunidades de diversificação da matriz energética com fontes de energias renováveis.

Consulte-nos!