os seus recursos. os seus limites os seus recursos. os seus limites os seus recursos. os seus limites os seus recursos. os seus limites os seus recursos. os seus limites os seus recursos. os seus limites

2a agricultura e ambiente

Informações Úteis, TTerraTTerra

Nunca como agora agricultura e ambiente fizeram tanto sentido. Finalmente percebeu-se que a agricultura e o ambiente não são incompatíveis, pelo contrário, têm de ser convergentes.

Por coincidência (?), no passado mês de Maio, a Direcção Geral do Ambiente da UE escreveu: “A agricultura foi objecto da primeira politica verdadeiramente comum da UE. Ao longo da sua existência, tem sido alvo de muitas alterações, reflectindo a reorientação das prioridades do sector agrícola. O mais recente conjunto de propostas de reforma tem como objectivo dar resposta aos desafios que a UE terá de enfrentar ao longo desta década nos domínios da alimentação, dos recursos naturais e do território” (…)

“A Europa precisa de garantir uma utilização mais sustentável dos seus recursos naturais, mas, ao mesmo tempo, deverá proporcionar aos agricultores condições que lhes permitam ser inovadores e competitivos. Nas palavras de Dacien Ciolos, comissário responsável pela Agricultura e pelo Desenvolvimento Rural: a agricultura europeia tem de ser competitiva do ponto de vista ambiental, e não apenas do ponto de vista económico. “

Neste contexto os objectivos principais da futura PAC são bem claros:
1. assegurar a gestão sustentável dos recursos naturais e acção climática;
2. assegurar a produção viável de alimentos;
3. manter o equilíbrio territorial e a diversidade das zonas rurais.

Os agricultores portugueses devem saber, desde já, que o apoio ao rendimento base da sua actividade será complementado por critérios que reflictam os serviços ambientais por eles prestados.  É simples, e, finalmente, os decisores comunitários e nacionais compreenderam-no.

Desde há muitos anos que esta matéria faz parte das competências da TTerra e por isso estamos preparados para ajudar a agricultura portuguesa a ganhar este desafio.

Nunca como agora agricultura e ambiente fizeram tanto sentido. Finalmente percebeu-se que a agricultura e o ambiente não são incompatíveis, pelo contrário, têm de ser convergentes. Por coincidência (?), no passado mês de Maio, a Direcção Geral do Ambiente da UE escreveu: “A agricultura foi objecto da primeira politica verdadeiramente comum da UE. Ao longo da sua existência, tem sido alvo de muitas alterações, reflectindo a reorientação das prioridades do sector agrícola. O mais recente conjunto de propostas de reforma tem como objectivo dar resposta aos desafios que a UE terá de enfrentar ao longo desta década nos domínios da alimentação, dos recursos naturais e do território” (…) 

“A Europa precisa de garantir uma utilização mais sustentável dos seus recursos naturais, mas, ao mesmo tempo, deverá proporcionar aos agricultores condições que lhes permitam ser inovadores e competitivos. Nas palavras de Dacien Ciolos, comissário responsável pela Agricultura e pelo Desenvolvimento Rural: a agricultura europeia tem de ser competitiva do ponto de vista ambiental, e não apenas do ponto de vista económico. “

Neste contexto os objectivos principais da futura PAC são bem claros:
1. assegurar a gestão sustentável dos recursos naturais e acção climática;
2. assegurar a produção viável de alimentos;
3. manter o equilíbrio territorial e a diversidade das zonas rurais.

Os agricultores portugueses devem saber, desde já, que o apoio ao rendimento base da sua actividade será complementado por critérios que reflictam os serviços ambientais por eles prestados.  É simples, e, finalmente, os decisores comunitários e nacionais compreenderam-no.

Desde há muitos anos que esta matéria faz parte das competências da TTerra e por isso estamos preparados para ajudar a agricultura portuguesa a ganhar este desafio.